Conversas do Harrison – Áudios

Titulo

Olá pessoal!

Antes de tudo, desejo um ano novo repleto de realizações , com muita paz e saúde. Para o pessoal do Brasil, principalmente meus amigos e colegas que moram no Rio de Janeiro, que os anjos guiem o caminho de cada um, livrando de todo perigo diário.

Comunico também que, muito provavelmente não farei nenhuma puplicação até novembro de 2018, bem como não terei tempo de responder mensagens privadas, por e-mail, Instagram e qualquer meio de comunicação.

Creio que deixei um material muito bom para cada um nesse blog, com contatos, links, respondendo aos comentários, dicas e indicação de grupos no facebook.

Meu último post do ano será sobre quem tomou boa parte do meu tempo, meu querido amigo Harrison. No meu post sobre esse exame, contei como fiz para estudar e o material utilizado, pois bem, a criadora do projeto Conversas do Harrison, gravou um áudio exclusivo para nós do blog, explicando como funciona, contato para adesão as conversas, aúdios gratuitos etc.

 

 

“Fátima, você não foi bem na prova, não tirou a nota necessária, esse método é bom?”

Sim. Esse método da Alexandra é muito bom, na minha opinião. Facilita na memorização, explica coisas que não tem nos slides das academias, assim como no próprio Harrison. O método faz com que tenhamos ritmo, disciplina, organização e, principalmente um ótimo esqueleto de todo o conteúdo cobrado na prova.

Eu estudei sozinha, tarefa ainda mais chata e difícil, com os aúdios tudo acabava por fluir melhor, fora que a Alexandra cria circuitos que acabam por ajudar na memorização.

Além dos aúdios de cada capítulo cobrado, ela disponibiliza as conversas em  5 minutos, onde fala dos assuntos mais importantes de cada matéria. Em resumo, um material com custo super acessível e de excelente qualidade.

Página no Facebook

E-mail

Se gostou, clique no anúncio abaixo para me ajudar a continuar contando minhas histórias e compartilhe com seus amigos.

Anúncios
Post Destacado

Lojas de departamento e supermercados em Portugal

Titulo

Essa semana recebi um comentário no blog sobre lojas de eletrodomésticos, eletrônicos entre outras.

Realmente quando chegamos, ficamos sem saber onde comprar e qual local com melhor preço. Como não tinha lido em nenhum lugar, perguntava para os funcionários do hotel, pessoas nas ruas, vendedores, após alguns dias tínhamos uma idéia dos melhores lugares.

Lojas:

Ikea (link): essa loja é fantástica, você encontra diversos tipos de produtos para mobiliar e decorar sua casa, bem como um dos melhores locais para se montar uma cozinha belíssima sem gastar horrores. Nessa loja, eletrodomésticos apenas para cozinha. Sério, todos os itens são de extrema qualidade, vem super embalados e o melhor de tudo, são modernos e lindos. Vale tirar alguns minutos e checar o site.

Não deixe de aderir ao cartão Ikea family, além de descontos e muitas vantagens, sempre ganhamos um café.

El Corte Inglés (link): impossível não amar esse lugar. Porém pode preparar o bolso, sem exageros.

Gato preto (link): aqui também é um ótimo lugar para decorar sua casa, encontramos utensílios de cozinha, móveis, têxteis, iluminação e muito mais. Cada item mais lindo que o outro, com ótimos preços.

Fnac (link): em Portugal, além da gama de produtos que encontrávamos no Brasil (coloquei no passado pois a empresa fechou suas portas no Brasil por conta da crise), encontramos eletrodomésticos, instrumentos musicais, desporto, eletrônicos, livros, uma infinidade de produtos. Acho essa loja incrível, mas em alguns momentos acaba por ser mais cara que outras. Então antes de comprar, faça uma pesquisa de mercado.

Media Markt (link): essa loja é fantástica, preços imbatíveis, uma variedade de marcas sem fim, a loja é imensa, de deixar perdido e cansado. Todos os eletrônicos e eletrodomésticos da nossa casa compramos aqui. Ex: Nespresso 29 euros + 10 euros para comprar em cápsulas.

Worten (link): mesma idéia da loja acima, porém acho mais cara. Não esqueça de sempre fazer aquela pesquisa.

Conforama (link): aqui encontramos de tudo, móveis, decoração, iluminação, eletrodomésticos e muito mais, com preços bem interessantes.

Radio Popular (link): outra excelente loja, com preços ótimos, no mesmo estilo da Media Markt. Vale conferir!

Area (link): essa é minha loja preferida. Fico horas aqui dentro, sem exageros. Esse lugar me deixa feliz com tanto bom gosto e modernidade. Para quem gosta de decoração, entre e faça a festa, não irá se arrepender, inclusive os preços são super justos.

 De Borla (link): aqui encontramos um pouco de tudo. Móveis para interior e exterior, artigos de casa, decoração, cama – mesa – banho, quadros, produtos de limpeza e muito mais. Não se esqueça de fazer o cartão de vantagens, é sem custo.

Espaço Casa (link): dedicada ao comércio de artigos para o lar, consegue conjugar a qualidade com o baixo custo dos produtos, proporcionando um variado leque de escolhas e oportunidades. Também possui cartão.

Prénatal (link): essa loja possui tudo que as futuras mamães necessitam, com preços excelentes. Se aderir ao cartão ainda consegue mais descontos. Compramos a cadeira de carro do Biel aqui.

Toys”R”Us (link): essa eu nem preciso apresentar. Se deseja deixar seu filho louco com tanta opção de brinquedo, esse é lugar! rs

Supermercados (basta clicar no nome que será redirecionado para a página):

Continente 

Makro 

Pingo Doce 

Jumbo 

Lidl 

Mini Preço 

Aqui vai um link de um Serviço ao Consumidor de Portugal, falando sobre quais são os mais baratos de forma atualizada.

Se gostou, clique no anúncio abaixo para me ajudar a continuar contando minhas histórias e compartilhe com seus amigos.

Post Destacado

Lambrettazzurra: obrigatório conhecer !

Titulo

Hoje vamos falar de coisas boas, melhor dizendo, de algo delicioso.

Quem me conhece sabe que sou amante de comida Italiana… não precisei ir à Itália para achar uma pizzaria divina. Sério, sem exageros, esse lugar é algo de comer rezando.

Pizza 3
Peperoni Picante

Pizza 1

Sorrento (atum)

Espinafre
Caruso

Chega de suspense, o nome do restaurante é Lambrettazzurra Pizzeria, fica localizado em Cascais. Um local pequeno, mas do tamanho do coração de uma mãe. Quem comando esse lugar divino é um casal de brasileiros que vivem cá há muitos e muitos anos, muito simpáticos. O chef de cozinha, Humberto Tadeu, executa com perfeição cada item existente na carta.

Frente

Nossa primeira experiência foi em 2016, estávamos famintos e sem saber onde comer, colocamos no Tripadvisor, quem desejar confirmar o que falo, vai o link com as resenhas do restaurante. Ao chegar, nos deparamos com um local muito pequeno, pequeno mesmo, mas com um cheiro de levar às nuvens, sem brincadeira. Antes mesmo de comer, tive a certeza que seria uma super experiência gastronômica, e não foi diferente. Fomos embora com desejo de repetir.

Pizza 2
Toscana

Esse ano assim que chegamos, deixamos as malas no hotel e fui direto para o restaurante, sonhava com esse momento. Mais uma vez foi incrível, porém ainda melhor, pois pude degustar da perfeita torta Red Velvet com recheio de mascarpone e frutos vermelhos. Tive um treco com tanto sabor, queria comer uma torta inteira. Bolo extremamente leve, aveludado, molhado na medida, sem nenhum sabor sobrepondo-se a outro. Pode falar que ficou louco(a) para provar?


Pecorino2
Entrada: Pecorino com mel trufado
Terrinha
Entrada: Terrinha

Dicas:

Novo endereço: Travessa Visconde da Luz, No 3, CASCAIS.

– Faça reserva (melhor comer no primeiro horário pois fica um pouco conturbado com todas as mesas preenchidas).

– Saiba que o tempo de espera por sua pizza será longo. É apenas um chef de cozinha para atender a todos os pedidos, com ingredientes frescos. Isso que faz a diferença!

– Possui uma ótima carta de vinhos.

– Faça logo o pedido completo, solicite uma burrata, terrinha, pecorino com mel, etc. Assim não percebe a demora da pizza caso haja.

– Valores entre 10 e 16 euros, sendo que as entradas têm valor inferior.

– É muito bem pontuado no Tripadvisor e Zomato.

– Como fica no centro de Cascais, pode encontrar certa dificuldade para estacionar o carro. Então vá de táxi ou saia antes para não perder a reserva.

Se gostou, clique no anúncio abaixo para me ajudar a continuar contando minhas histórias e compartilhe com seus amigos.

Post Destacado

Comprando carro em Portugal: uma peregrinação.

Titulo

Oi pessoas!

Após onze dias afastada, retorno mais fortalecida. Desde que chegamos cá, as coisas saíram do controle, bem como todos os dias somos colocados à prova. Como assim, Fátima? É literalmente isso. “Me mostre o extrato de sua conta bancária, comprove que é médica, comprove que é cidadã, comprove que possui trabalho, me mostre seu fiador, comprove que seu fiador possui garantias, deixe-me ver seu NIF e a abertura de atividades na finança, comprove que é casada etc.”

Simplesmente você tem a sua vida invadida e revirada de certa forma. Aff, Fátima, para de drama! O problema não é provar, longe disso. A grande chatice é que mesmo atestando tudo, ainda sim lhe dizem não, deixando claro que aqui não somos nada e nem ninguém, pois se não tenho recibos dos últimos três meses de emprego, se não tenho o IRS (imposto de renda), não tenho garantias. Então como início minha vida em outro país com todos desconfiando de mim e sem um incentivo? Caramba! Não tenho 200 mil euros em minha conta para pagar tudo à vista. Olha que cheguei com uma boa reserva.

Dei essa breve introdução, pois desde que chegamos só levamos tapas. Vou escrever sobre os três primeiros meses, caso contrário vocês sabem que adoro falar. Ops, quer dizer, digitar! Um dos tapas foi a negativa para conseguirmos um carro. Isso me causou pânico total. Felipe conseguiu várias propostas de trabalho, algumas delas o emprego ficava quase duas horas de distância de carro, ficando claro que é fundamental ter um carro. Tenham certeza, nossa história não é única pelo que vimos.

Assim que chegamos, fomos a concessionária Ford (no caso foi a Ford Cam em Alcabideche), lá conhecemos o Sr. Mário Carvalho. Profissional sensacional, nos mostrou os carros e pontuando as diferenças.

Mario
Sr. Mário Carvalho
CAM
Concessionária Ford Cam Alcabideche (Cascais)

Após devidas explicações, passou o valor do carro e formas de financiamento. No mesmo dia, fomos até a Citröen – Santogal (Alcabideche), onde recebemos um ótimo atendimento, o vendedor era muito simpático. Em resumo, conhecemos quase todas as marcas (Seat, Fiat, Nissan, Ford, Citroen, Smart, Renault e Toyota). Hoje sei que foi tempo perdido, pois não seríamos nós a escolher o carro e sim o carro a nos escolher. Depois de uma longa pesquisa em duas semanas, nos apaixonamos pelo Nissan Qashqai, até esse momento, tudo ok. Porém veio a história do visto (no caso do Felipe, cartão de residente), onde o SEF (serviço de fronteiras e estrangeiros) estava em “greve”, realizando agendamento apenas para junho e, após entrevista final de junho, mais três meses até conseguir o cartão. Sem esse documento, Felipe não poderia trabalhar.

Então imaginem meu pânico. Nossa reserva daria para nos manter, tranquilamente, porém não poderia mais dar 10 mil euros de entrada num carro, para ficar com parcelas bem pequenas, só que isso no final nem era o problema maior, pois achei uma ótima solução chamada “renting” (um dia falo sobre essa excelente modalidade), a qual você aluga um carro por um valor mensal e tem tudo incluído, como seguro, IPVA daqui, revisões, etc. A grande vilã para conseguirmos o “renting” foi uma palavra chamada FIADOR (apesar de ter meu tio Adriano, ele já era meu fiador no imóvel, com isso não achava justo incomodar mais uma vez). Sem fiador, nada de carro, mesmo dando 60% do valor do carro, só poderia financiar com um fiador. Em resumo: pagava à vista ou nada de carro, mesmo que fosse um carro bem velho.

Stand

Carros usados aqui, temos que ter muito cuidado ao adquirir, pois podemos arrumar um abacaxi maior ainda. Como vocês sabem, minha palavra é resiliência, pode vir o maior elefante que vou comer aos pedacinhos. Saí procurando algum local que não tivesse o maldito fiador. Teve vendedor que nem na minha cara olhava, só falava: “Vá a seu banco, caso consiga empréstimo conversamos novamente”. Então tive uma luz: lembrei do Sr. Mario Carvalho, aquele da loja da Ford, a primeira que visitamos (porém queríamos ver outras opções de carro como de costume). Lá encontramos um anjo, uma pessoa que consideramos como amigo e que possui todo nosso respeito. Nos recebeu mais uma vez de braços abertos, tivemos uma conversa franca, entregamos todos os nossos documentos e nos foi dito por ele: “Em 48h entro em contato. Um não, temos, mas vou enviar para todas as financeiras”. Dito e feito, como o forte aperto de mão (levo isso em consideração sempre), em 48h ele nos deu a excelente notícia que conseguiu nosso financiamento, de um carro zero e sem fiador.

Usados
Stand externo de carros usados

Ao buscar o carro, tivemos mais uma grata surpresa pelo Sr. Mário, nos foi explicado item por item do carro, seguro feito na hora (pasmem, custou 400 € anual para o nosso carro, com tudo incluído, como carro reserva, desastres naturais e vandalismo, e, torno de 1/3 do que pagávamos no Brasil), dado um bloco com cupons (por 10 anos) de desconto de 50 € para cada revisão ou carro de substituição no período que estiver na revisão e emparelhou o telemóvel (como o celular é chamado) com o sistema multimídia do carro e nos ensinou como utilizar o modo “estacionamento automático” com o carro (aquele onde o carro estaciona sozinho).

Agora, Felipe está motorizado e pronto para iniciar os trabalhos na próxima semana.

Graças à Deus, meus pais e um novo amigo, o Sr. Mário Carvalho.

Obrigado
OBRIGADO(A) !
Carro
Enfim, temos um carro !

Dicas:

– Se possível, traga seu carro do país de origem (caso não venha com boa reserva para comprar à vista ou não tenha fiador). Sei que é extremamente caro, mas é seguro. Compare entre valores de venda de seu carro por pouco no país de origem + transporte internacional e investir aqui em um zero quilômetro. 

– Traga dinheiro para pagar o carro à vista, caso não tenha fiador. Caso tenha, pense numa entrada de 5.000 € a 10.000 €, para suavizar as mensalidades. Não é impossível financiar sem fiador, mas será sofrido pelas negativas das financiadoras, bem como desdém de alguns vendedores. Pois aqui, não somos nada, mesmo que comprove uma conta bancária recheada, suficiente para pagar seu carro ou mais, mesmo sendo uma pessoa com títulos etc. Ser médico ajuda? Sim, não vou negar, mas longe de solucionar problemas! O que importa é: ter emprego, ter visto ou cônjuge português e ter comprovação de IRS (imposto de renda de Portugal).

– Não precisa ficar correndo atrás de preço, aqui o valor é tabelado, então, se gostou do vendedor, não perca mais tempo.

Cuidado ao optar por carros usados.

– Estude todas as formas de obter um carro, como: financiamento, renting, leasing, ald (um dia falo sobre isso), mas saiba que as três últimas provavelmente serão negadas a estrangeiros recém-chegados, mesmo com nacionalidade e fiador.

– Não se preocupem com itens de segurança (tipo ABS, airbags, controle de estabilidade), pois são itens obrigatórios em carros dos mais básicos aos mais luxuosos em Portugal.

– Carros mais básicos custam em torno de 10.000 €  

– Carros de médio porte em torno de 20.000 a 30.000 €

– Carros de luxo acima de 30.000 €

– O IUC (imposto único de circulação), nosso bom e caro IPVA, custa em torno de 150 € /ano

– Os seguros de carro são muito baratos e é obrigatório ter seguro aqui. Como dito acima, um completo pode variar de 400 a 700 € e o mínimo (apenas seguro para terceiros) variando de 50 a 150 €. O valor do seguro varia conforme o carro desejado, conforme bom comportamento na direção (ausência de multas, pontos na carteira, etc.), portanto, talvez as pessoas recém-chegadas paguem um pouco mais caro por não ter histórico a seu favor, como nós.

– Caso faça mais de 25.000 km/ano, o ideal é um carro a diesel.

– No nosso caso, a entrega foi quase que imediata (apesar da peregrinação de quase 2 meses à espera de aceitação de documentos, etc.) pois foi nos dado umas 3 opções de pronta entrega para o carro pretendido. Caso queira ter um carro customizado (cores de interior, estofado, multimídias, etc.), a espera pode chegar até 9 meses mas geralmente são 2 a 3 meses de espera. Portanto, se for muito necessário ter um carro no começo, desapegue de escolher cores ou acessórios (verão que cada carro pode sempre faltar algo que desejaria, difícil reunir tudo que deseja em um carro e que este tenha disponibilidade para pronta-entrega, logo, não perca tanto tempo conversando com os vendedores e “montando” seu carro. Acredite, pode demorar pelo menos um 30 minutos para isso. Logo, oriento que veja quais estão disponíveis para pronta entrega (os vendedores têm acesso a todas as concessionárias da marca pretendida) e escolha o mais adequado para você.  

– Ao entrar em qualquer concessionária, pergunte se está tendo alguma campanha específica e de qual (ou quais) carros. É a forma mais rápida e prática de economizar alguns mil euros !

–  Se for trabalhador autônomo (como os médicos), tiver iniciado atividade nas Finanças e ter emitido recibos verdes por algum tempo (acredito serem 3 meses mínimo), pode ocorrer um bom desconto no valor final do carro (alguns mil euros também !)

Se gostou, clique no anúncio abaixo para me ajudar a continuar contando minhas histórias e compartilhe com seus amigos.

Post Destacado

Universidades de Medicina em Portugal com processos de Equivalência em curso

Olá colegas!

Percebo que muitos têm dificuldade em encontrar informações sobre as Universidades, lista de documentos, quais estão com processos abertos etc. Por isso, tentarei manter esse post atualizado com essas informações, bem como os links, facilitando assim sua busca.

Em Portugal temos 07 faculdades de medicina (link), mas nem todas realizam o processo de equivalência.

  • Universidade de Coimbra – não realiza o processo de equivalência. Porém possui ótimos cursos de pós-graduação, mestrado e doutorado. Vale conferir!

  • Universidade Nova de Lisboa – realiza o processo de equivalência. Até o momento, apenas realizará a finalização dos processos de 2017. Mas fiquem atentos, pois pode abrir a qualquer momento.

(Procedimentos__Equivalência_à_Licenciatura_em_Meduicina_e_atribuição_do_Grau_de_Mestre_em_Medicina).

(Aviso_Reconhecimento)

Data das provas – (AVISO_equivalência)

Para mais informações: academicos@nms.unl.pt


  • Universidade do Algarve: NÃO ABRIRÁ PROCESSO EM 2018. Em caso de dúvidas, entrar em contato.
  • enviar e-mail para: acad@ualg.pt

  • Universidade da Beira Interior –Até a presente data, não há informação sobre abertura do processo para 2018.

Busquei nos grupos do facebook e achei essas orientações dadas por e-mail. Então, enviem mensagem questionando sobre o processo caso tenha interesse.

Retirado do Site:

“Equivalência/Reconhecimento

(ao abrigo do Decreto-Lei nº 283/83, de 21 de Junho)

O Decreto-Lei n.º 283/83, de 21 de junho estabelece um sistema de equivalência/reconhecimento com base numa reavaliação científica do trabalho realizado de habilitações estrangeiras de nível superior, às equivalentes habilitações portuguesas, com vista à obtenção do grau correspondente. Pode também obter informações na DGES

PROCEDIMENTOS

Para solicitar equivalência/reconhecimento do curso estrangeiro, deverá ter em conta os cursos ministrados pela UBI na mesma área ou em área afim em http://www.ubi.pt/Cursos

O pedido deve ser feito em formulário próprio em conformidade com a Portaria n.º 1071/83, de 29 de dezembro, (estes formulários estão disponíveis na página da Imprensa Nacional – Casa da Moeda, podendo igualmente, ser adquiridos nos Serviços Académicos da UBI).

Aquando da instrução do pedido de equivalência, o requerente deve ter em atenção os documentos referidos nos artigos 4.º, 8.º e 12º do Decreto-Lei n.º 283/83, de 21 de junho, conforme o grau a que é solicitada a equivalência. Estes documentos deverão ser devidamente autenticados pelo agente consular português no País de origem do diploma e/ou legalizados pela Apostila de Haia nos termos da Convenção relativa à Supressão da Exigência da Legalização de Atos Públicos Estrangeiros, assinada em Haia a 5 de outubro de 1961. (Pode também consultar o site da DGES)

O pedido de reconhecimento terá enquadramento, apenas quando se verifique o disposto no capítulo V do artigo 14º do Decreto-Lei n.º 283/83, de 21 de junho que deve consultar

Os prazos são os descritos no Decreto-Lei n.º283/83, de 21 de junho, artigos 6.º, 10.º (60 dias úteis após nomeação do júri) e o artigo 13.º (60 dias úteis após a instrução completa do processo).

Os emolumentos devidos correspondem ao valor afixado na tabela de taxas e emolumentos da UBI. http://www.ubi.pt/…/S…/53/Paginas/288/Despacho_2014_R_23.pdf

Será necessária a tradução quando os documentos sejam escritos numa língua estrangeira que não o espanhol, francês, inglês ou italiano. As traduções deverão ser devidamente certificadas pelas autoridades competentes para o efeito.

O pedido de equivalência deve ser acompanhado dos seguintes documentos gerais:

Certidão de Nascimento ou Cópia documento de identificação (BI/C.Cidadão/Passaporte; NIF), facultativo.

Requerimento apresentado pelo(a) interessado(a) ou por seu representante legal (procuração), utilizar formulário próprio (portaria nº1071/83 de 29 de dezembro). No formulário deve mencionar obrigatoriamente e de forma legível, 1) O grau de que é requerida equivalência e o estabelecimento de ensino onde foi obtido, 2) O curso lecionado na Ubi ao qual é pretendida a equivalência, acompanhado dos seguintes documentos:

Equivalência ao grau de mestre (capítulo III – artigo 8º) (a)

Diploma comprovativo da titularidade do grau de licenciado ou equivalente legal;

Diploma emitido pela universidade estrangeira, que comprove a titularidade do grau de mestre;

Documento emitido pela universidade estrangeira, onde constem as disciplinas em que obteve aprovação, a classificação final e, quando aplicável, apresentar os conteúdos programáticas e respetivas cargas horárias;

2 Exemplares da dissertação (formato digital ou em papel);

2 Exemplares de curriculum vitae (formato digital ou em papel);

Regulamento fixando as condições e admissão ao grau de que é requerida equivalência, aquando da obtenção do mesmo;

(a) Nota: Informamos os requerentes com habilitações de grau ou diploma de diferente natureza da de mestre que só poderão ser aceites pedidos de equivalência ao grau de Licenciado, para os cursos da UBI que são Ciclos de Estudo Integrados, com exceção dos requerentes com formação em Medicina, que conforme as Normas internas para a concessão de equivalência ao grau de mestre em Medicina, na Universidade da Beira Interior e respeitanto os prazos para a entrega do pedido (para as provas a realizar no ano 2017 – 20/04/2017) referidos no Anexo I das referidas Normas, devem formalizar o seu pedido, apresentando os seguintes documentos:

Formulário da INCM, modelo n.º 525 – Requerimento de Equivalência ao grau de Mestre;

Certidão de Nascimento, fotocópia do documento de identificação ou passaporte (facultativo);

Diploma do Curso (licenciatura em Medicina ou mestrado integrado em Medicina);

Documento emitido pelo estabelecimento de ensino onde constem as disciplinas em que obteve aprovação e que conduziram à obtenção do grau, duração dos estudos e a classificação final (ou as classificações parciais caso aquela não seja conferida);

Dois (2) exemplares de cada dissertação, caso exista, considerada autonomamente no plano de estudos;

Programas das disciplinas e respetivas cargas horárias do plano de estudos do curso de Medicina frequentado;

Currículo académico e profissional do candidato, acompanhado dos respetivos comprovativos;

Documento comprovativo do pagamento de todas as taxas e emolumentos, que não serão devolvidas no caso de desistência do processo;

Documento (Minuta) em que o requerente declara que só efectuou o pedido de equivalência nesta Universidade e que aceita que todas as comunicações que lhe forem dirigidas sejam efectuadas para o endereço de e-mail que indica neste mesmo documento;

Requerimento de inscrição para a Prova de Língua Portuguesa.

Se pretender solicitar dispensa da Prova de Língua Portuguesa deve formalizar o pedido através de requerimento, solicitando a dispensa, anexando a este um documento que comprove a habilitação do nível B1 do Quadro Europeu Comum de Referência para as Línguas, em Língua Portuguesa.

Todos os documentos originais devem ter tradução quando sejam escritos numa língua estrangeira que não o espanhol, francês, inglês ou italiano. Os documentos originais e as respetivas traduções terão de possuir a apostila de Haia ou ser reconhecidos por agente diplomático ou consular português no Estado onde o requerente obteve o grau e a assinatura deste agente, sendo autenticada com o selo branco consular respectivo.”


  • Universidade do Minho – realiza o processo de equivalência. Até o momento nenhuma publicação para 2018. Link

  • Universidade do Porto – Fiquem atentos, brevemente terá abertura o processo de 2018. Link (ler item Equivalências/Reconhecimentos Habilitações Estrangeiras)

  • Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar – U.Porto (onde fiz meu processo) – realiza o processo de equivalência, mas pelo o que pesquisei se encontra fechada no momento. Deixo o site para quem desejar buscar maiores informações.

Sobre dúvidas em relação aos documentos, não hesite, entre em contato com a instituição. Demais dúvidas, caso possa ajudar, deixe o comentário que respondo.

Se gostou, clique no anúncio abaixo para me ajudar a continuar contando minhas histórias e compartilhe com seus amigos.

Post Destacado

Inscrição e pedido de autonomia na Ordem dos Médicos de Portugal

Titulo

Inscrição e pedido de autonomia na Ordem dos Médicos de Portugal

Este slideshow necessita de JavaScript.

Como prometido, dou continuidade aos passos. No post 2, parei no sexto passo, então vamos lá! Em 17 de agosto de 2016, recebi o documento de equivalência pela Universidade do Porto, com isso tracei uma meta de em três semanas levantar todos os documentos que precisava para realizar a inscrição e pedido de autonomia. Já aviso: NÃO FAÇAM ISSO! Nossa, Fátima, o que houve? Vocês vão entender que é pouquíssimo tempo para arrumar tudo.

Lista de documentos para inscrição (link para maiores informações)

DOCUMENTOS A APRESENTAR POR CIDADÃOS COMUNITÁRIOS LICENCIADOS FORA DA UNIÃO EUROPEIA

1 – O requerimento de inscrição apresentado por cidadãos comunitários, licenciados fora da União Europeia, deve ser acompanhado dos seguintes documentos:

  1. a) Bilhete de Identidade, Passaporte ou Autorização de Residência, ou fotocópia autenticada ou conferida pelos serviços da Ordem dos Médicos;
  2. b) Certidão de licenciatura ou fotocópia autenticada;
  3. c) Certificado de equivalência, emitido por estabelecimento de ensino superior português;
  4. d) Certificado do registo criminal, emitido há menos de 3 meses;
  5. e) Cartão de contribuinte fiscal ou fotocópia autenticada ou conferida pelos serviços da Ordem dos Médicos;
  6. f) Três (3) fotografias originais, tipo passe (foto 3×4, normalmente “apanhamos” até descobrir o que é);
  7. g) Prova da honorabilidade profissional, emitida pela entidade competente para o registo e controlo disciplinar dos médicos do país de origem ou proveniência, que ateste que o interessado se encontra em condições legais de exercer a profissão sem restrições e que não existem processos disciplinares pendentes ou sanções disciplinares;
  8. h) Curriculum Vitae elaborado e instruído de forma a comprovar o exercício profissional lícito e efectivo da profissão médica;
  9. i) Certificado de nacionalidade (pode ser dispensado mediante apresentação do passaporte).

2 – Para determinar se é viável o exercício autónomo da profissão, deverão os interessados juntar prova da experiência profissional adquirida durante três anos consecutivos nos últimos cinco e currículo que será submetido à apreciação da Ordem dos Médicos, nos termos previstos no Regulamento para o Exercício Autónomo da Medicina.

3 – Salvo deliberação do Conselho Regional competente em contrário, o interessado que nunca tenha estado inscrito na associação profissional que regula a profissão médica no seu país de origem ou proveniência, deverá, em substituição do documento referido na alínea g) do número anterior, juntar certidão que confirme esse facto.

4 – Sempre que o interessado não demonstre preencher as condições a que se refere o n.º 2 deste artigo, mas cumpra todos os demais requisitos, apenas poderá ser inscrito para o exercício da profissão sem autonomia.

5 – Caso o diploma extra-comunitário tenha sido reconhecido por Estado-membro da União Europeia, o Conselho Regional competente procederá à avaliação desse diploma e da formação e/ou experiência profissional adquiridas nesse Estado, de forma a apurar se são equivalentes aos exigidos em Portugal.

6 – Para efeitos do previsto no número anterior, o interessado deverá juntar, além dos referidos no n.º 1, os seguintes documentos:

  1. a) Certificado de equivalência, emitido por entidade comunitária competente;
  2. b) Documentos comprovativos do exercício profissional realizado no Estado-membro que reconheceu o diploma extra-comunitário;
  3. c) Documentos respeitantes à formação complementar/contínua obtida nesse Estado-membro.

7 – Aos cidadãos referidos no número 1 é exigida a aprovação em prova de comunicação médica, a definir em regulamento próprio.

8 – Estão dispensadas da prova referida no número anterior os licenciados por

Universidade cujo ensino seja ministrado em língua portuguesa.

Não disse que vocês entenderiam que o tempo foi curto. rs

Continuando… Todos os documentos, prestem atenção TODOS devem estar com o selo de Haia. Fátima, mas não é isso que fala na lista de documentos. Ok, concordo! Mas eu passei pelo processo e sei o que estou falando. Se desejam evitar problemas e mimimi, coloca esse maldito selo em tudo. Digo maldito pois gastei 2500 reais com meu marido, fora que ao levar no cartório, descubro que todos os documentos devem ser digitalizados e não fica pronto no mesmo dia, assim como o selo estava em falta. Esse “Kinder Ovo”  apareceu faltando dois dias para nosso embarque.

Após tanta confusão e nervosismo, chegamos na Ordem dos Médicos do Porto. Eu tremia igual vara verde, medo absurdo de algo dar errado. Sentamos, falamos o que desejávamos e começaram a avaliar cada documento. Num determinado momento, resolvem dizer que meu diploma estava errado (mesmo com o selo). A questão foi a porcaria do selo de autenticidade, que não tinha como não existir pelas leis brasileiras, a coisa foi tão séria que perguntei se queriam ficar com meu diploma original. Sabem qual foi a resposta? – Doutora, seu diploma original não possui o selo de Haia, então ele não me diz nada, pode ser falso. OIIIIIIII? Tive uma criança que nem na minha barriga habitava. No fim, tudo foi resolvido. Porém foi muito chato!

Documentos entregues, preenchemos e assinamos algumas folhas e, orientados a aguardar aproximadamente três meses. Na primeira semana de novembro, recebo essa carta:

foto 1_n

Como não podia “abandonar” o trabalho mais uma vez, assim como as passagens estavam caríssimas, pedi mais umas vez auxílio ao advogado Rafael Perszel (rafael@perszel.com.br) para realizar minha inscrição. Tinha apenas 60 dias a contar da data do envio da carta.

Em 20 de dezembro, estava inscrita e com número, faltando apenas solicitar a cédula profissional.

O processo do meu esposo teve resposta apenas em janeiro de 2016, demorou mais pois ele conseguiu a autonomia.

Perguntas frequentes:

Existe diferença no processo do Porto e Lisboa?

Sim. No Porto podemos dar entrada na inscrição junto com o pedido de autonomia. Em Lisboa, primeira a inscrição e depois o pedido de autonomia.

Conseguindo a cédula pelo Porto, depois preciso validar em Lisboa por serem cidades diferentes?

Não. Aqui é totalmente diferente do Brasil. Podemos atuar em qualquer canto de Portugal, sem ter que dar baixa ou entrada em determinada cidade.

Existe algum valor anual pago?

Sim. 130 euros. Quem não possui autonomia é mais barato, no caso 80 euros.

Caso tenham mais alguma pergunta, deixa nos comentários que respondo.

Se gostou, clique no anúncio abaixo para me ajudar a continuar contando minhas histórias e compartilhe com seus amigos.

Post Destacado

Como é ser médico em Portugal?

Titulo

Como é ser médico (a) em Portugal?

Colegas de profissão, para poder trabalhar aqui é necessário ter a equivalência (como explicado o passo a passo no Post 2). Com ela em mãos, iremos solicitar a inscrição na Ordem dos Médicos de Portugal (irei escrever sobre esse processo). Após poucos meses receberá uma das duas respostas:

– Exercício da profissão com autonomia (situação do meu esposo)

– Exercício da profissão sem autonomia (meu caso)

Fátima, qual a diferença?

  • Na primeira, o profissional se encontra apto para atuar no país como generalista. Porém prestem atenção que, grifei a palavra generalista. Aqui em Portugal, chegamos assim, podendo trabalhar apenas como clínico geral, não podemos dar plantão em emergência vermelha, CTI ou qualquer outro setor, nesses locais apenas os especialistas, não sendo a mesma bagunça do Brasil. Profissional em Portugal precisa ser qualificado para assumir determinado setor. Caso queira ser especialista cá, necessita revalidar a especialidade (explicação) ou fazer o internato (residência). Só existem essas formas.
  • Na segunda, o profissional precisa realizar o ano comum (parecido com nosso internato), após esse ano, terá uma prova e tudo correndo bem consegue autonomia. Deixando claro que nesse período o profissional não pode trabalhar, bem como não irá conseguir emprego.

 

Quanto ganha um médico generalista?

Antes de falar sobre valores, informo que apenas trabalhamos em postos de saúde, penitenciárias e urgências, mas nas urgências apenas pacientes classificados como azul, verde, amarelo (classificação de risco), nada além disso. Quando escrevo isso é apenas para exemplificar que nossa contratação é para esses atendimentos bem básicos, alguma complicação passamos para a medicina interna, por exemplo.

Dependendo do sítio escolhido para residir teremos, mais ou menos ofertas de trabalho. Podemos receber entre 16 até 27 euros por hora de trabalho (façam contas entre 19 e 21 euros), sendo esse valor bruto (post 9 – item IRS). Um especialista pode ganhar de 28 até 70 euros por hora de trabalho. Estou falando de valores pelo serviço público, não tenho idéia de valores praticados em hospitais privados, porém dizem pagar melhor.

Os locais de trabalho são distantes?

Na grande maioria sim. Dependendo da sua morada, pode levar até duas horas de carro.

Começo a trabalhar automaticamente?

Não! Para iniciar seu trabalho em Portugal, necessita de NIF, IBAN (conta bancária – como abrir?), abertura de atividade nas finanças, seguro social, seguro de trabalho, cédula profissional, comprovar morada, ter visto ou cartão cidadão. Com todos esses documentos em mãos, as empresas enviam para os hospitais analisarem seu curriculum.

Posso fazer uma pós-graduação para ser especialista?

Não existe pós-graduação para conseguir uma especialidade, existem cursos de pós-graduação, mas nenhum deles irá conferir especialidade.

Consigo abrir um consultório sem especialidade?

Não vejo possibilidade alguma. Muito provavelmente, para abrir um consultório você terá que comprovar requisitos básicos. Não faço idéia de como montar um consultório, bem como documentos solicitados.

Outro detalhe, sem provar ser especialista aqui, como vai conseguir inscrição nos seguros de saúde (planos de saúde)? Qual cidadão português irá confiar sua saúde num médico estrangeiro e sem especialidade reconhecida cá?

Como faço para revalidar minha especialidade?

Explicação no post 7.

Quanto tempo dura o internato (residência)?

12 meses (ano comum) + 6 anos (neurocirurgia e outras)

12 meses (ano comum) + 5 anos (cardiologia, anestesio, neurologia, radiologia etc.)

12 meses (ano comum) + 4 anos (medicina de família)

Consigo “pular” o ano comum tendo autonomia?

Não soube de nenhum caso. Esse ano meu esposo vai ao exame, quando tiver mais detalhes, escrevo sobre.

O ano comum é remunerado?

Sim! Valor de 1400 euros bruto.

Como funciona o pagamento?

Em Portugal recebemos por hora trabalhada, não se utiliza o termo plantão, chamamos de banco de horas, pois na verdade você monta o seu horário. Ex: Desejo entrar 10:00 e sair 14:00. Após montar e cumprir seu banco de horas no mês, vamos passar o recibo verde com o valor total das horas trabalhadas, até o dia 15 receberemos em conta o valor pelo mês trabalhado.

O médico é valorizado?

Sim! Aqui um médico é bastante valorizado e tem seu reconhecimento pela população.

Os hospitais são como no Brasil?

Não! Aqui você tem condições de trabalho, bem como protocolos. Também jamais terá uma fila de atendimento com 70 pacientes aguardando na tela, não vai assumir um plantão faltando insulina ou determinados exames. A medicina é muito mais organizada, não há comparação.

Fátima, você não tem autonomia, mas conseguiu trabalho?

Consegui emprego, mas não como médica. Foi oferecido auxiliar de serviços gerais (técnico de enfermagem), com uma remuneração bem baixa, 5 euros por hora sem os descontos. Também poderia trabalhar em lanchonete, em farmácias etc. Minha opção foi permanecer em casa estudando para o internato (residência).

Caso alguém tenha mais alguma dúvida, deixa um comentário que respondo se souber.

Se gostou, clique no anúncio abaixo para me ajudar a continuar contando minhas histórias e compartilhe com seus amigos.

Post Destacado

Como revalidar a especialidade médica em Portugal?

Titulo

Olá pessoal!

Hoje trago um assunto que causa muita dúvida, incerteza e acaba por fazer muitos desistirem. Porém, melhor saber a verdade do que ficar cheio de ilusões.

Consigo revalidar minha especialidade?

Antes de responder, deixo uma coisa bem clara, pois isso de certa forma me incomoda. Recebo muitas mensagens e leio muitos comentários do tipo: “Olha, é fácil, pega os documentos, entrega e automaticamente você já é médico (a) em Portugal”. Pior que isso é quando perguntam: Posso comprar a passagem e ir? Vocês estão bem de vida? Felipe já abre muita cabeça (ele é neurocirurgião)? Em resumo, perguntas sem assimilação nenhuma de conteúdos.

Quando você entra nesse processo precisa vestir uma camisa chamada “eu não sou nada e nem ninguém” em Portugal. Nossa Fátima, que horrível, que energia negativa, como assim não sou nada? Sim, aqui quando chegamos é assim, ninguém me conhece, não temos história cá, existe reserva de mercado, nossa formação é bem diferente, os protocolos acabam por não ser iguais, o sistema de saúde não é o mesmo… com tudo isso sabemos que precisamos ter nossos pés firmes ao chão e nos adaptar, assim como ganhar território paulatinamente.

Após passar pelo processo de equivalência (Post 2 e Post 6), inscrição na Ordem dos Médicos e finalmente possuir sua cédula profissional, todos iniciam como generalista, podendo atender apenas em centros de saúde, penitenciárias e urgências, sendo esse último local apenas pacientes classificados como verde e azul (cefaléia, pico hipertensivo, febre, atendimento básico). Aqui, logo de cara percebemos como é diferente do Brasil, onde um recém-formado faz plantão em CTI e emergência vermelha. Até hoje não conheço ninguém que tenha entrado trabalhando em sua especialidade e na minha opinião, acho impossível, pelo pouco que vi. Em outra postagem falo como começar a trabalhar e ofertas de emprego.

Guardado para si a informação acima, vamos ao processo em si e no fim darei alguns depoimentos que li e escutei, como o depoimento de meu esposo.

Link das especialidades em Portugal 

Novo Estatuto da Ordem dos Médicos (ler a partir do artigo 125.º em diante)

Para informações mais detalhadas como documentação necessária para dar entrada no processo, sugiro ligar ou entrar em contato diretamente com a Ordem dos Médicos.

Um colega publicou no grupo que acompanho que, após envio do e-mail solicitando maiores informações à Ordem dos Médicos, recebeu a seguinte resposta:

“… uma vez inscrito na Ordem dos Médicos de Portugal, poderá solicitar a equivalência da Vossa especialidade: Enviando requerimento solicitando a equivalência da especialidade ao abrigo do Artigo 92º, 2º do Estatuto da Ordem dos Médicos, acompanhado de 5 Currículos (1 em papel e 4 em suporte digital) detalhando o seu percurso na especialidade assim como documentação comprovativa em como é detentor da mesma, um dos Currículos deverá ter documentos comprovativos originais ou fotocópias autenticadas…”

É possível revalidar a especilidade?

Publicação de um colega no grupo do Facebook: “Colegas, vou relatar o que me foi repassado por dois especialistas que estão em Portugal, um há 12 anos e o outro há 10 anos. Ambos fizeram o curso de residência médica no Brasil (em anestesia). Tendo obtido a equivalência e a autonomia, ambos solicitaram ao colégio de especialidade a validação da mesma. De modo protocolar foi negada. Depois disso ambos pediram para serem avaliados. Este pedido foi aceito. A prova por que passaram foi extremamente difícil (ambos disseram isso). Três dias de avaliação, com prova teórica, oral/escrita, arguição do curriculum, e um paciente (real – internado) serviu de caso clínico, em que foi solicitada uma entrevista, um plano de conduta pré, trans e pós-operatória. Este estudo de caso deveria ser preparado e entregue em um formato acadêmico bastante rigoroso, como uma pequena monografia (só lembrando que os colegas passaram visita numa tarde, preparam o caso, o estudaram e defenderam no dia seguinte), esta monografia foi questionada, e o caso debatido por 3 professores, junto com o candidato. Na tarde do terceiro dia, de todos os tópicos da residência médica (lá de Portugal – aqui no Brasil são 64) foram sorteados pelo candidato 5 e, por 3 horas, na presença de 3 membros do colégio de anestesia, os colegas expuseram seus conhecimentos sobre o tópico, seguidos de perguntas dos avaliadores. O resultado foi o seguinte: para um dos meus colegas, o mais velho, já com 25 anos de experiência, naquela data, foi concedida a especialidade, para o mais jovem (tinha saído da residência naquele ano, zero de experiência aqui no Brasil), foi solicitado complementação de conteúdo – 4 meses no programa de dor crônica e 6 meses em terapia intensiva. Feito os estágios e depois de entregues, foi conferida a especialidade.

Meu esposo é Neurocirurgião, com título de especialista pela Sociedade brasileira de Neurocirurgia, com experiência há 10 anos. Após conversa com chefes de serviço de Neurocirurgia e alguns colegas de outras especialidades, optou por refazer a residência, pois não era certo conseguir o título, assim como a incerteza de remuneração nesse período. Não é algo impossível, mas extremamente difícil, ainda mais que as residências cá são muito mais longas (neurocirurgia 06 anos, anestesio 05 anos e assim vai).

 Em 2014, conversamos com um anestesista, foi solicitado curriculum detalhado, bem como um resumo de todos os anos da residência contendo banco de horas, programa das disciplinas e anestesias realizadas, após isso precisou refazer algumas disciplinas e submetido à prova.

Não se esqueçam, cada um faz a sua história, para alguns será mais fácil que para outros, porém nada é impossível quando se deseja algo. Escolham o melhor caminho para si e não desistam.

Se gostou, clique no anúncio abaixo para me ajudar a continuar contando minhas histórias e compartilhe com seus amigos.

Post Destacado

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: