Como revalidar a especialidade médica em Portugal?

Titulo

Olá pessoal!

Hoje trago um assunto que causa muita dúvida, incerteza e acaba por fazer muitos desistirem. Porém, melhor saber a verdade do que ficar cheio de ilusões.

Consigo revalidar minha especialidade?

Antes de responder, deixo uma coisa bem clara, pois isso de certa forma me incomoda. Recebo muitas mensagens e leio muitos comentários do tipo: “Olha, é fácil, pega os documentos, entrega e automaticamente você já é médico (a) em Portugal”. Pior que isso é quando perguntam: Posso comprar a passagem e ir? Vocês estão bem de vida? Felipe já abre muita cabeça (ele é neurocirurgião)? Em resumo, perguntas sem assimilação nenhuma de conteúdos.

Quando você entra nesse processo precisa vestir uma camisa chamada “eu não sou nada e nem ninguém” em Portugal. Nossa Fátima, que horrível, que energia negativa, como assim não sou nada? Sim, aqui quando chegamos é assim, ninguém me conhece, não temos história cá, existe reserva de mercado, nossa formação é bem diferente, os protocolos acabam por não ser iguais, o sistema de saúde não é o mesmo… com tudo isso sabemos que precisamos ter nossos pés firmes ao chão e nos adaptar, assim como ganhar território paulatinamente.

Após passar pelo processo de equivalência (Post 2 e Post 6), inscrição na Ordem dos Médicos e finalmente possuir sua cédula profissional, todos iniciam como generalista, podendo atender apenas em centros de saúde, penitenciárias e urgências, sendo esse último local apenas pacientes classificados como verde e azul (cefaléia, pico hipertensivo, febre, atendimento básico). Aqui, logo de cara percebemos como é diferente do Brasil, onde um recém-formado faz plantão em CTI e emergência vermelha. Até hoje não conheço ninguém que tenha entrado trabalhando em sua especialidade e na minha opinião, acho impossível, pelo pouco que vi. Em outra postagem falo como começar a trabalhar e ofertas de emprego.

Guardado para si a informação acima, vamos ao processo em si e no fim darei alguns depoimentos que li e escutei, como o depoimento de meu esposo.

Link das especialidades em Portugal 

Novo Estatuto da Ordem dos Médicos (ler a partir do artigo 125.º em diante)

Para informações mais detalhadas como documentação necessária para dar entrada no processo, sugiro ligar ou entrar em contato diretamente com a Ordem dos Médicos.

Um colega publicou no grupo que acompanho que, após envio do e-mail solicitando maiores informações à Ordem dos Médicos, recebeu a seguinte resposta:

“… uma vez inscrito na Ordem dos Médicos de Portugal, poderá solicitar a equivalência da Vossa especialidade: Enviando requerimento solicitando a equivalência da especialidade ao abrigo do Artigo 92º, 2º do Estatuto da Ordem dos Médicos, acompanhado de 5 Currículos (1 em papel e 4 em suporte digital) detalhando o seu percurso na especialidade assim como documentação comprovativa em como é detentor da mesma, um dos Currículos deverá ter documentos comprovativos originais ou fotocópias autenticadas…”

É possível revalidar a especilidade?

Publicação de um colega no grupo do Facebook: “Colegas, vou relatar o que me foi repassado por dois especialistas que estão em Portugal, um há 12 anos e o outro há 10 anos. Ambos fizeram o curso de residência médica no Brasil (em anestesia). Tendo obtido a equivalência e a autonomia, ambos solicitaram ao colégio de especialidade a validação da mesma. De modo protocolar foi negada. Depois disso ambos pediram para serem avaliados. Este pedido foi aceito. A prova por que passaram foi extremamente difícil (ambos disseram isso). Três dias de avaliação, com prova teórica, oral/escrita, arguição do curriculum, e um paciente (real – internado) serviu de caso clínico, em que foi solicitada uma entrevista, um plano de conduta pré, trans e pós-operatória. Este estudo de caso deveria ser preparado e entregue em um formato acadêmico bastante rigoroso, como uma pequena monografia (só lembrando que os colegas passaram visita numa tarde, preparam o caso, o estudaram e defenderam no dia seguinte), esta monografia foi questionada, e o caso debatido por 3 professores, junto com o candidato. Na tarde do terceiro dia, de todos os tópicos da residência médica (lá de Portugal – aqui no Brasil são 64) foram sorteados pelo candidato 5 e, por 3 horas, na presença de 3 membros do colégio de anestesia, os colegas expuseram seus conhecimentos sobre o tópico, seguidos de perguntas dos avaliadores. O resultado foi o seguinte: para um dos meus colegas, o mais velho, já com 25 anos de experiência, naquela data, foi concedida a especialidade, para o mais jovem (tinha saído da residência naquele ano, zero de experiência aqui no Brasil), foi solicitado complementação de conteúdo – 4 meses no programa de dor crônica e 6 meses em terapia intensiva. Feito os estágios e depois de entregues, foi conferida a especialidade.

Meu esposo é Neurocirurgião, com título de especialista pela Sociedade brasileira de Neurocirurgia, com experiência há 10 anos. Após conversa com chefes de serviço de Neurocirurgia e alguns colegas de outras especialidades, optou por refazer a residência, pois não era certo conseguir o título, assim como a incerteza de remuneração nesse período. Não é algo impossível, mas extremamente difícil, ainda mais que as residências cá são muito mais longas (neurocirurgia 06 anos, anestesio 05 anos e assim vai).

 Em 2014, conversamos com um anestesista, foi solicitado curriculum detalhado, bem como um resumo de todos os anos da residência contendo banco de horas, programa das disciplinas e anestesias realizadas, após isso precisou refazer algumas disciplinas e submetido à prova.

Não se esqueçam, cada um faz a sua história, para alguns será mais fácil que para outros, porém nada é impossível quando se deseja algo. Escolham o melhor caminho para si e não desistam.

Se gostou, clique no anúncio abaixo para me ajudar a continuar contando minhas histórias e compartilhe com seus amigos.

Anúncios

25 Comments

  1. Maria Rosa disse:

    Vc sabe qual o tempo de duração da residencia em Hematologia?

    Curtido por 1 pessoa

  2. Taise disse:

    Boa tarde, Fatima! Eu não entendi uma coisa: todos que solicitam a equivalência de diploma precisam prestar o Ano Comum ou só as pessoas que irão fazer residência em Portugal? No caso, meu esposo já é anestesista no Brasil há anos e gostaria de tentar validar a especialidade em Portugal, mesmo não querendo fazer residência aí ele precisa prestar o ano comum? Obrigada!!

    Curtido por 1 pessoa

    • Fatima Calani disse:

      Oi Taise!
      O ano comum é obrigatório para quem for iniciar o internato (residência), tenha autonomia médica ou não.
      Caso após equivalência do diploma e posterior inscrição na ordem, não tiver autonomia, só poderá trabalhar após completar o ano comum.
      Seu esposo pode tentar revalidar a especilidade, caso consiga, não terá que fazer ano comum.
      Boa sorte!!

      Curtir

  3. Rafael Vidal disse:

    Olá dra. O grupo do Facebook a qual se referiu na postagem é aberto?? Poderia passar-nos o endereço?? Muito obrigado 🙏

    Curtir

  4. Rafael disse:

    Fatima, ótimo conteúdo. Um grande auxílio para nós que estamos longe!
    Uma pergunta: para trabalhar com gestão de saúde, estratificação de risco, análise de perfil de risco populacional é necessária a revalidação do diploma e especialidade? Vc sabe?
    Muito obrigado e novamente parabéns pelos conteúdos publicados.

    Curtir

    • Fatima Calani disse:

      Rafael, para trabalhar como médico, independente da área vc precisa ter a equivalência, caso contrário não poderá ser contratado em nenhum local, bem como precisa de visto ou cidadania.
      Boa sorte!

      Curtir

  5. Caroline Campos disse:

    Bom dia Fátima! Estou conhecendo seu blog agora e gostei muito dos posts, estão sendo muito esclarecedores. Parabéns!
    Sou médica formada pela UFMG há 5 anos e atualmente terminando a residência em Oftalmologia. Tenho vontade de iniciar o processo para equivalência em Portugal, mas ainda estou bem perdida! Será que você poderia me tirar algumas dúvidas?
    1. Meu curso de Medicina é bacharelado e não exige monografia. Sendo assim, ao pedir a equivalência eu peço como licenciatura ou como mestrado? Não achei essa informação clara em nenhum lugar.
    2. Vi que pode ajudar a obter a equivalência o currículo ser semelhante entre as universidades portuguesa e brasileira. É assim mesmo? Porque pesquisando os planos de estudo de todas as faculdades de Medicina portuguesa, vi que a Universidade do Porto tem um programa muito semelhante ao da UFMG.
    3. Os documentos que são exigidos pela universidade devem ser solicitados na minha Faculdade? Não tenho declaração de conclusão do curso com média final, consigo isso na faculdade?
    4. Não entendi o que é o “Documento relativo ao coeficiente acumulado e explicação da fórmula de coeficiente“.
    Agradeço muito se puder me ajudar com a sua experiência! Muito obrigada!
    Abçs.

    Curtir

    • Fatima Calani disse:

      Olá!!
      1) só existe um único processo, todos aqui se formam com mestrado. Por isso terá que apresentar uma tese para uma banca de especialistas, além da prova prática e teórica.

      2) Pode dar entrada em qualquer universidade aqui, o que terá peso será passar nas três etapas.

      3) Esse documento deve ser retirado na sua faculdade.

      4) CR – coeficiente de rendimento, sua média final no curso de medicina, deve ser solicitado em sua instituição, bem como a fórmula para o cálculo de tal média.

      Bj e boa sorte! 👍🍀

      Curtir

  6. Rose Pereira Cordeiro disse:

    Olá Fátima,td bem?
    Sei que o caminho não é fácil,mas pensando efetivamente em seguir p Portugal definitivamente, mesmo tendo que desistir da minha especialidade após 20 anos de exercício,consigo ser generalista?qual o salário médio desse medico?Vale a pena?
    O momento no Brasil não me inspira vontade de permanecer aqui, então estou começando a me mexer p ir embora definitivamente.
    Vc poderia me indicar um escritório de advocacia para me auxiliar no processo?
    grata,
    Rose Cordeiro

    Curtir

    • Fatima Calani disse:

      Rose, como vai?
      Sim, consegue ser generalista, sem problema, basta querer.
      Sobre salário, já fiz um post sobre isso com todos os detalhes.
      Indico o Dr. Rafael, contato aqui no blog tb.
      Boa sorte!🍀

      Curtir

  7. Andrea disse:

    Olá Fátima!
    Sou endocrinologista e gostaria de saber se você conhece alguém que tenha tentado revalidar essa especialidade sem Portugal. Se sim, como foi? Se não, você sabe se a residência de endócrino exige que antes seja feita a de clínica tb aí em Portugal ou se pode direto fazer endócrino? Quantos anos? Brigada

    Curtir

    • Fatima Calani disse:

      Olá Andrea, como vai? 😄
      Não conheço ninguém. Como contei no relato revalidar especialidade é bem complicado, muito provavelmente por reserva de marcado.
      Aqui você entra direto para residência de endocriono, terá que fazer um ano do ano comum ( todo mundo tem que fazer) + 5 ou 4 anos da formação, totalizando : 6 ou 5 anos.
      Não é fácil entrar para endocrino, nota corte 80 de 100, precisa estudar mesmooooo.
      Beijo e boa sorte!

      Curtir

  8. Rodrigo Martini disse:

    Boa tarde. É falado muito na prova de Equivalência e na prova do Harrison. Quanto ao conteúdo e dificuldade das provas, qual a diferença? A prova de equivalência é mais tranquila? Agradeço desde já a atenção.

    Curtir

    • Fatima Calani disse:

      Olá Rodrigo, como vai?
      São provas completamente diferentes, sobre a prova do Harrison para internato acabei de escrever uma publicação. Para a prova de equivalência terá que estudar medicina geral + saúde pública de Portugal, todos os alunos estudaram pelo Medcurso e mais da metade teve sucesso.
      Boa sorte! 🍀

      Curtir

      • Camilla disse:

        Olá Fátima, eu estava lendo seu blog e não percebi você mencionar sobre a prova de equivalência, achei que era necessário os documentos exigidos e a apresentação de um trabalho. Quando é realizada essa prova e todas universidades exigem ela?

        Curtir

      • Fatima Calani disse:

        Camilla, quando fiz o meu processo, prova teórica era solicitada para alguns, no meu caso, apresentei uma tese para uma banca de especialistas e após 15 minutos tive uma hora de perguntas.
        Hj, o processo é unificado, prova teórica + prova prática + apresentação como a que fiz, todas as fases são eliminatórias.
        No momento não há nenhuma universidade com processo aberto, bem como sem previsão de abertura, algumas não abriram em 2017, todos aguardam notícias para 2018.
        Ps: as provas são realizadas aqui em Portugal, em datas diferentes.
        Boa sorte! 🍀

        Curtir

  9. Camilla disse:

    Olá, Fátima. Eu me formo em junho de 2018, eu pretendia iniciar o processo de revalidação em seguida. Eu não sabia que tinham unificado a equivalência, você tem informações a respeito dessa prova pratica, como é realizada ? A eliminação é por quantidades de vagas ou por notas adquiridas? Outra questão que estou com dúvida é a respeito da abertura dos processos, tem ano que não abriu para nenhuma universidade?
    Obrigada
    Camilla

    Curtir

    • Fatima Calani disse:

      Camilla, provavelmente vc iniciará o processo em janeiro/ fevereiro de 2019. Sobre a prova prática e teórica, entra no grupo médicos imigrantes em Portugal, lá tem vários depoimentos.
      A eliminação é por nota, se não fizer 10 ou 11 pontos de 20 será eliminada, isso em cada etapa.
      Esse ano de 2017, que eu saiba apenas Minho, Nova de Lisboa, U. Porto realizaram processo. Até o momento não há divulgação sobre abertura para 2018, precisa ficar entrando nos sites ou contratar empresa ou advogado para realizar o processo.

      Curtir

      • Camilla disse:

        Muito obrigada! Você é ótima, Fátima. Seu blog está me ajudando muito!!! 😊

        Curtir

      • Fatima Calani disse:

        Não precisa agradecer, um dia você fará o mesmo quando conquistar seu objetivo. ☺️
        Não esqueça de entrar no grupo do facebook, lá você terá o depoimento de outros médicos.
        Bj!

        Curtir

  10. Fátima, uma dúvida. Você disse que se conseguir a revalidação sem autonomia tem que fazer o ano comum para trabalhar. É obrigatório fazer residência para trabalhar como médico? Ou pode-se seguir carreira trabalhando como especialista? E para conseguir a liberação na Ordem, só é possível com experiência?

    Curtir

    • Fatima Calani disse:

      Sem autonomia não pode trabalhar, ninguém jamais contrato, leis de Portugal.
      Para cursar o internato médico (residência), você é obrigada a cursar o ano comum, mesmo com autonomia.
      Para trabalhar em determinada especialidade, só pela residência ou equivalência do título de especialista.
      Para ter autonomia, terá que comprovar, com documentos com firma reconhecida / apostila de Haia, três anos de experiência nos últimos 5 anos, um júri irá avaliar detalhadamente cada documento entregue.
      Ex: eu comprovava 2 anos e 5 meses, não recebi autonomia.

      Curtir

  1. […] assumir determinado setor. Caso queira ser especialista cá, necessita revalidar a especialidade (explicação) ou fazer o internato (residência). Só existem essas […]

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: